CONSERVADORISMO, BANCO MUNDIAL E SERVIÇO SOCIAL: O (NEO) DESENVOLVIMENTISMO E AS REFORMAS SOCIAIS

Autores

  • Ana Cristina Oliveira de Oliveira Universidade Federal Fluminense
  • Ana Cristina Oliveira de Oliveira Escola de Serviço Social da Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.22422/temporalis.2018v18n35p244-264

Resumo

Este artigo revela os resultados parciais de uma pesquisa documental que estuda a “nova” sociabilidade do capital e suas manifestações a partir dos anos 2000, tendo como norteador as estratégias de desenvolvimento no “combate à pobreza. O texto discute os processos potenciados pelas políticas neoliberais e (neo) desenvolvimentistas que resgatam o reformismo social e o conservadorismo edificando um pensamento único na contramão da construção do projeto ético político profissional. Trata, ainda, da investida do Banco Mundial como um interlocutor direto na ação política e econômica nos países de capitalismo dependente. Entende que a abordagem do conservadorismo se apresenta na ação política de direita já consolidado no passado e que não se apresenta como algo novo. Entende que é constitutiva da dinâmica do capital e do tratamento na relação entre a acumulação do capital e seus impactos na força viva de trabalho. Concluímos que a defesa das reformas sociais implica na roupagem mais humana do capitalismo e na retomada do conservadorismo na profissão. E que neste sentido, o Serviço Social enfrenta o desafio de aproximar-se dos movimentos sociais organizados no horizonte da organização da classe trabalhadora para a contra-ordem burguesa e a desnaturalização da “questão social”.

PALAVRAS-CHAVE

Pobreza. Reformas sociais. Conservadorismo. Banco Mundial. Serviço Social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Cristina Oliveira de Oliveira, Universidade Federal Fluminense

Mestre em ciências (ENSP/FIOCRUZ)

Doutora em Serviço Social (UERJ)

Professora da Escola de Serviço Social da Universidade Federal Fluminense


 
 

Ana Cristina Oliveira de Oliveira, Escola de Serviço Social da Universidade Federal Fluminense

Mestre em ciências (ENSP/FIOCRUZ)

Doutora em Serviço Social (UERJ)

Professora da Escola de Serviço Social da Universidade Federal Fluminense

Referências

ABEPSS, 1996. Diretrizes gerais para o curso de Serviço Social (Com base no Currículo Mínimo aprovado em Assembléia Geral Extraordinária de 8 de novembro de 1996.). Rio de Janeiro, novembro de 1996.
BANCO MUNDIAL. Estratégia de Assistência ao País: EAP para 2004-2007. Washington, dezembro de 2003.
BANCO MUNDIAL. Um Ajuste Justo - Análise da Eficiência e Equidade do Gasto Público no Brasil. Washington, 21 de novembro de 2017. Disponível em: http://www.worldbank.org/pt/country/brazil/publication/brazil-expenditure-review-report. Acesso em: 12 de dezembro de 2017.
BANCO MUNDIAL. “Competências e Empregos – Uma agenda para a juventude” e “Emprego e Crescimento – A Agenda da Produtividade. Acesso em 07 abril de 2018. Disponível em: http://www.worldbank.org/pt/country/brazil/publication/brazil-productivity-skills-jobs-reports, 2018.
BARBOSA, Maria José de Souza, FERREIRA, Rosimar de Sousa, SANTOS, Maria Helena Loureira dos. Demandas do Trabalho ao Assistente Social no Capitalismo Contemporâneo. Revistas de Política Sociais, Maranhão, v. 5, n. 8, p.131-137, 10 ago. 2010.
BONENTE, Bianca Imbiriba e CORRÊA, Hugo Figueira. Desenvolvimento sem “ismos”: uma crítica ao novo-desenvolvimentismo a partir dos Grundrisse de Marx. Revista Outubro, n. 23, 1º semestre de 2015.
BONENTE, Bianca Imbiriba. Desenvolvimento em Marx e na teoria econômica: por uma crítica negativa do desenvolvimento capitalista. Tese (Doutorado em Economia) – Programa de Pós-graduação em Economia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2011.
BORON, Atílio. A sociedade civil depois do dilúvio neoliberal. In: SADER, Emir e GENTILI, Pablo. Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.
BORON, Atilio. A sociedade civil depois do dilúvio neoliberal. In: Emir Sader e Pablo Gentili (orgs.). Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado democrático, São Paulo, Paz e Terra, 1995.
CARCANHOLO, Marcelo Dias. Conteúdo e forma da crise atual do capitalismo: lógica, contradições e possibilidades. Crítica e Sociedade: revista de cultura política. v.1, n.3, Edição Especial - Dossiê: A crise atual do capitalismo, dez. 2011.
CASTELO, Rodrigo. O novo desenvolvimentismo e a decadência ideológica do pensamento econômico brasileiro. Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n. 112, p. 613-636, out./dez. 2012.
CHESNAIS, François. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, 1996.
COUTINHO, Carlos. N. Contra a Corrente. Ensaios sobre democracia e socialismo. São Paulo: Cortez, 2000.
FARIZA, Ignacio. À espera de eleições, América Latina se equilibra em incertezas para recuperar brio econômico. Eleições no Brasil e México ditam a cadência de uma região com grandes disparidades de crescimento. El País –, 27 fev 2018, México. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/02/23/internacional/1519384144_093464.html. Acesso em 28 de março de 2018.
IAMAMOTO, Marilda Villela. O Serviço Social na Contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 2. Ed. São Paulo: Cortez, 1999.
IAMAMOTO, Marilda. A questão social no capitalismo. Temporalis nº 03 - Brasília: ABEPSS, 2001.
IAMAMOTO, Marilda. O Serviço Social na Contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 6ª ed. São Paulo: Cortez, 2003.
IAMAMOTO, Marilda. As dimensões ético-politicas e teórico-metodológicas no Serviço Social contemporâneo. Texto base da conferência magistral do XVIII Seminário Latino Americano de Escuelas de Trabajo Social, San José, Costa Rica, 12 de julho de 2004.
IAMAMOTO, Marilda. Serviço Social em tempo de capital fetiche. Capital financeiro,
trabalho e questão social. São Paulo: Cortez, 2007.
IAMAMOTO, Marilda. Mundialização do capital, questão social e Serviço Social no Brasil. Em pauta. Teoria social e realidade contemporânea. Mundialização, Resistência e Cultura –vol. 1, n. 21. Rio de Janeiro: UERJ/Faculdade de Serviço Social, 2008. p.117-139.
IASI, Mauro Luis. De Onde Vem o Conservadorismo? Blog Boitempo. Publicado em 15/04/2015. Disponível em: https://blogdaboitempo.com.br/2015/04/15/de-onde-vem-o-conservadorismo/. Acesso em: 08/10/2017
LE GOFF, Jacques. Os intelectuais na idade média. São Paulo: Brasiliense, 1989.
LEITE, Leonardo de Magalhães. Imperialismo, Dependência e Subimperialismo: mapeando as relações categoriais. Revista Espacio Crítico, N. 22, 2015.
LUCE, Mathias Seibel. A teoria do subimperialismo em Ruy Mauro Marini: contradições do capitalismo dependente e a questão do padrão de reprodução do capital. 2011. Tese (Doutorado em História) - Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.
MARTINELLI, Rosana de Carvalho. A política de combate à pobreza e as agências multilaterais: um estudo comparativo entre o Brasil e o México nas décadas de 80 e 90. 2004. 409f. Tese (Doutorado em Sociologia Política) - Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2004.
MARINI, R. M. “Sobre a Dialética da Dependência”. In: TRASPADINI, R.; STEDILE, J. P. (Orgs.). Ruy Mauro Marini: Vida e Obra. São Paulo: Expressão Popular, 2005.
MARX, K. A lei geral da acumulação capitalista. In: ________. O Capital: crítica da economia política. São Paulo: Nova Cultural, 1996.
MÉSZÁROS, István. Para além do capital rumo a uma teoria da Transição. Tradução Paulo Cezar Castanheira, Sérgio Lessa. - 1.ed. revista. - São Paulo: Boitempo, 2011.
NEVES, Lúcia Maria. W. A nova pedagogia da hegemonia: estratégias da burguesia brasileira para educar o consenso na atualidade. São Paulo: Xamã, 2005.
NETTO, José Paulo. Prefácio. CORLETTO, Alejandra Pastorini. A categoria “questão social” em debate. Coleção questões da nossa época, v. 17, 3ª edição. São Paulo: Cortez, 2010. p.11-17.
NETTO, Leila Escorsim. O conservadorismo clássico. Elementos de caracterização e crítica. Cortez: São Paulo, 2011.
Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Relatórios Econômicos OCDE BRASIL 2018 Construindo um Brasil mais próspero e mais produtivo Brasília, 28 Fevereiro 2018. Disponível em: https://www.oecd.org/eco/surveys/Construindo-um-Brasil-mais-prospero-e-mais-produtivo-OCDE-relatorios-economicos-2018.pdf. Acesso em: 266 de fevereiro de 2018.
OLIVEIRA, Ana Cristina Oliveira de. Crítica à nova sociabilidade do capital: por um “capital mais humano”. Tese (Doutorado) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Faculdade de Serviço Social. Orientadora: Maria Ciavatta Franco. Co-orientador: Gaudêncio Frigotto, UERJ: Rio de Janeiro, 2012. 611f.
OLIVEIRA, Ana Cristina Oliveira de. Os Porta-Vozes do Capital Contemporâneo Mundializado: “Combate À Pobreza” e o Neoliberalismo De Terceira Via. 1º Encontro Internacional de Política Social e 8º Encontro Nacional de Política Social “As transformações do Estado no mundo hoje”. Anais do 8º Encontro Nacional de Política Social – ISSN 2175-098X. Vitória, 10 a 13 de junho de 2013.
PEREIRA, João Márcio Mendes. O Banco Mundial como ator político, intelectual e financeiro (1944-2008). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.
PETRAS, J. Império e políticas revolucionárias na América Latina. São Paulo: Xamã, 2002.
SAMPAIO JR., Plínio de Arruda. Desenvolvimentismo e neodesenvolvimentismo: tragédia e farsa. Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n. 112, out./dez. 2012.
TAVARES, M. da Conceição; MELIN, Luiz Eduardo. Mitos globais e fatores regionais: a nova desordem internacional. In: FIORI, José Luiz et al. (Orgs.). Globalização – o fato e o mito. Rio de Janeiro: UERJ, 1998.
YAZBEK, M. C. Classes Subalternas e Assistência Social. São Paulo: Cortez, 1993.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2018-06-30