IDEOLOGIA E SERVIÇO SOCIAL: UM DEBATE NECESSÁRIO PARA A INTERVENÇÃO PROFISSIONAL

Autores

  • Leandro Nunes Universidade Federal de Santa Catarina
  • Aline Aparecida Justino Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.22422/temporalis.2018v18n36p274-289

Resumo

Este artigo tem por objetivo realizar análises preliminares no que se refere o complexo da ideologia em sua perspectiva histórica e categorial. Para sustentar nosso objetivo, nos apoiaremos na tese de György Lukács, o autor compreende que ideologia vai para além de “falsa consciência”, ela possui uma função específica explicitar e dirimir as relações de homens e mulheres na sociedade de classes. Realizado este debate introdutório, nosso objetivo se tratara de compreender qual a função que este complexo categorial exerce na intervenção profissional do/da assistente social, bem como, defender a necessidade de apreendemos a ideologia enquanto um complexo que explicita e regula as subjetividades e objetividades de homens e mulheres sob as relações sociais capitalistas, debate este tão necessário para a sustentação do Projeto Ético-Político, Código de Ética Profissional, Lei que Regulamenta a Profissão e Diretrizes Curriculares. Visto que, nos encontramos diante do contexto de agudização das contradições entre capital e trabalho, e reafirmar, a ideologia enquanto função social, não é senão, eminentemente necessário para que o/a profissional “dê” uma direção crítica e propositiva à sua intervenção com vistas a universalização dos direitos sociais e emancipação humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Aparecida Justino, Universidade Federal de Santa Catarina

Mestra em Serviço Social pelo Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Universidade Federal de Santa Catarina. Possui graduação em Serviço Social pela mesma Universidade. Realizou estudos junto ao Núcleo de Estudos do Trabalho e Gênero - NETeG de 2008 a 2012. O núcleo desenvolveu estudos e pesquisas tomando como referência a centralidade da categoria trabalho no debate contemporâneo das ciências sociais e humanas. Professora subistituta no departamento de serviço social na Universidade Federal de Santa Catarina.

Referências

EAGLETON, T. Ideologia. Uma introdução/Terry Eagleton; tradução Silvana Vieira, Luís Carlos Borges. - São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista: Editora Boitempo, 1997.

COSTA, G. Trabalho e Serviço Social: debate sobre a concepção de Serviço Social como processo de trabalho com base na Ontologia de Georg Lukács (1999). http://repositorio.ufpe.br/bitstream/handle/123456789/10015/arquivo9337_1.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

IAMAMOTO, V.; CARVALHO, R. Relações sociais e Serviço Social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 8. ed. São Paulo: Cortez, 1985.

______. Serviço Social em tempo de capital fetiche. São Paulo: Cortez, 2007.

HILLESHEIM, J. Conciliação trabalhista: ofensiva sobre os direitos dos trabalhadores na periferia do capitalismo. 693 p. Tese de doutorado- Universidade Federal de Santa Catarina – Programa de Pós-Graduação em Serviço Social. Florianópolis. 2015.
KONDER. L. A questão da ideologia. São Paulo: Companhia das letras, 2002.

______. Marx: vida e obra. 3 ed. – São Paulo. Expressão Popular, 2015.

KOSIK, Karel. Dialetica do concreto. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976. 230p.
LESSA, S. Para compreender a ontologia de Lukács. 4ª Edição. Instituto Lukács. São Paulo, 2015
LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social II. Tradução: Nélio Schneider, Ivo Tonet, Ronaldo Vielmi Fortes, São Paulo: Boitempo, 2013.
NETTO, J. P. Transformações societárias e Serviço Social: notas para uma análise prospectiva da profissão no Brasil. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, ano 17, n. 50, p. 87-132, abr. 1996.

______. Capitalismo monopolista e Serviço Social. 6ª ed. – São Paulo, Cortez, 1992.

______. Ditadura e Serviço Social: uma análise do Serviço Social no Brasil pós-64. 17ª ed. São Paulo. Cortez, 2015.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã: critica da mais recente filosofia alemã em seus representantes Feuerbach, B. Bauer, Stirner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas, 1845-1846. São Paulo: Boitempo, 2007. 614 p.

SCHAFF, Adam. Historia e verdade. 6.ed. São Paulo: M. Fontes, 1995. 317p.

SOARES, L. T. Os custos do ajuste neoliberal na América Latina. 2 ed. – São Paulo, Cortez, 2002 (Col. Questões da nossa época; v. 78).

VAISMAN. E. A ideologia e sua determinação ontológica. In: ALCANTÂRA, N. e COSTA, G. (Org.). Anuário Lukács 2014. São Paulo: Instituto Lukács, 2014.

Downloads

Publicado

2019-01-03