AS COTAS NA PÓS-GRADUAÇÃO: ORIENTAÇÕES DA ABEPSS PARA O AVANÇO DO DEBATE

Autores

  • Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social ABEPSS

DOI:

https://doi.org/10.22422/temporalis.2018v18n36p417-419

Resumo

Tendo em vista o compromisso ético-político e acadêmico-histórico da ABEPSS e a consonante defesa dos princípios profissionais, com a defesa da superação de todas as formas de exploração e opressões. Com o entendimento de que a questão étnico-racial não pode ser compreendidae tratada de formadesvinculada dos processos de produção e reprodução da vida social, tomamos como pressuposto que “o racismo não é apenas um problema ético, uma categoria jurídica ou um dado psicológico. O racismo é uma relação social, que se estrutura política e economicamente” (ALMEIDA, 2016, p. 23). A ABEPSS assume a posição de orientação às unidades formadoras em relação às cotas na Pós-Graduação em Serviço Social

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AUGUSTO, A. Austeridade, contagem de corpos e o autoritarismo: o caso do chamado caos no Espírito Santo. 12/02/2017. Disponível em: http://passapalavra. info/2017/02/110587. Acesso em: 02 set. 2017.

BARCELLOS, J. Cuidado: Zizek pode estar certo. Disponível em: http://www. boitempoeditorial.com.br/v3/news/view/1239. Acesso em: 08 set. 2017.

COIMBRA, C. M. B. Psicologia, direitos humanos e neoliberalismo. Revista Psi- cologia Política. v. 1, n. 1, 2001, p. 139-148. Disponível em: http://www.fafich.

ufmg.br/~psicopol/psicopol/artigos_pub/artigo_9.pdf. Acesso em: 02 set. 2017.

COIMBRA, C. M. B. ; LOBO, L. F. ; NASCIMENTO, M. L. Por uma invenção ética para os Direitos Humanos. Psicologia Clínica, v. 20, n. 2, p. 89-102, 2008 . Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pc/v20n2/a07v20n2.pdf. Acesso em: 02 set. 2017.

GAMA, B. C. Insistências entre o vulnerável e o vencedor no governo dos vivos: ensaios na Política Pública de Assistência Social. Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Universidade Federal Fluminense. Tese de Doutorado. 2017.

KEHL, M. R. O pacto do cinismo. Folha de São Paulo. Caderno Mais, 04/06/2000. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs0406200016.htm. Acesso em: 02 set. 2017.

MUNIZ, V. A cada meia hora um processo de violência contra mulher é aberto no ES. Gazeta online, 28/08/2017. Disponível em: http://www.gazetaonline. com.br/noticias/cidades/2017/08/a-cada-meia-hora-um-processo-de-violencia-

-contra-mulher-e-aberto-no-es-1014094287.html. Acesso em: 02 set. 2017.

ROQUE, T. As 7 vidas do neoliberalismo. Disponível em: https://urucum.milharal. org/2017/02/04/as-7-vidas-do-neoliberalismo/. Acesso em: 02 set. 2017.

SILVA, A. C. A Estetização da ideologia cínica. Kínesis, Vol. V, n° 10, Dezembro 2013, p. 261-272. Disponível em: http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.

php/kinesis/article/view/4545/3351. Acesso em: 02 set. 2017.

SLOTERDIJK, Peter. Crítica da Razão Cínica. São Paulo: Estação Liber- dade, 2012.

ZIZEK, S. A verdadeira blasfémia. Disponível em: http://www.esquerda.net/ artigo/verdadeira-blasf%C3%A9mia/24326. Publicado em 20 de agosto de 2012. Acesso em: 08 set. 2017

ZIZEK, S. Um mapa da ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

ZIZEK. S. Eles não sabem o que fazem: o sublime objeto da ideologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1992.

Downloads

Publicado

2019-01-03