PARÂMETROS PARA ORGANIZAÇÃO DOS FÓRUNS DE SUPERVISÃO DE ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL

Autores

  • Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social ABEPSS

DOI:

https://doi.org/10.22422/temporalis.2018v18n36p435-451

Resumo

Esse documento intitulado “Parâmetros para organização dos fóruns de supervisão de estágio em Serviço Social” tem como finalidade provocar um amplo debate nacional sobre a organização e operacionalização dos fóruns de supervisão, em cada Unidade de Formação Acadêmica (UFA), em cada Estado e em cada Regional da ABEPSS. Entende-se “Parâmetros” como referências. Não é receita e nem manual. Define-se, neste texto, como orientações que visam fortalecer a concepção de estágio supervisionado na perspectiva das Diretrizes Curriculares (ABESS/CEDEPSS, 1996), bem como, da Política Nacional de estágio - PNE (ABEPSS, 2010).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANTUNES, Ricardo. A desertificação neoliberal no Brasil (Collor, FHC e Lula). Campinas: Autores Associados, 2002.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. A Reforma do Estado nos anos 90: lógica e mecanis- mos de controle. Brasília: Cadernos MARE, Caderno 01, 1997.

FREITAS, Luiz Carlos de. Os reformadores empresariais da educação e a disputa pelo controle do processo pedagógico na escola. In: Revista Educação e Sociedade. Campinas, v. 35, n. 129, p. 1085-1114, 2014a. Disponível em: http://www.scielo. br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302014000401085&lng=en&nrm=i so. Acesso em: 26 ago. 2017.

. Os empresários e a política educacional: como o proclamado direito à educação de qualidade é negado na prática pelos reformadores empresariais. In: Revista Germinal: marxismo e educação em debate, Salvador, v. 6, n. 1, p. 48-59, jun. 2014b. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/revistagerminal/ article/view/12594/8857. Acesso em: 23 ago. 2017.

GENTILI, Pablo. Neoliberalismo e educação: manual do usuário. In: GENTILI, P.; SILVA, T. T. (Orgs.). Escola S. A. quem ganha e quem perde no mercado educa- cional no neoliberalismo. Brasília: CNTE, 1996. p. 9-49.

GOIÁS. Aviso de chamamento público nº 003/2016. In: SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE – SEDUCE. 2016. Disponível em: http://www. seduc.go.gov.br/documentos/chamamentopublico2016/03/ARQUIVO%20PRINCI- PAL%20-%20EDITAL.pdf. Acesso em: 28 jul. 2017.

. Lei 18.658 de 02 de outubro de 2014: confere nova redação a dispositivos da Lei nº 15.503, de 28 de dezembro de 2005, que dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais estaduais, disciplina o procedimento de chamamento e seleção públicos e dá outras providências. In: SECRETARIA DE ES- TADO DA CASA CIVIL. 2014. Disponível em: http://www.gabinetecivil.goias.gov. br/leis_ordinarias/2014/lei_18658.htm. Acesso em: 17 out. 2014.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, v.3, 2002.

LUKÁCS, György. Para uma ontologia do ser social. São Paulo: Boitempo, vol. II, 2013

MÉSZÁROS, István. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo: Boitempo, 2002.

. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2005.

. A teoria da alienação em Marx. São Paulo: Boitempo, 2006.

. A crise estrutural do capital. São Paulo: Boitempo, 2009.

MOVIMENTO SECUNDARISTAS EM LUTA – EDUCAÇÃO EM LUTA EM GOIÁS. Projeto

Político-Pedagógico – pela reabertura do Colégio Estadual Professor José Car- los de Almeida. Goiânia, 2016. Disponível em: https://nucleomarxista.fe.ufg. br/n/99426-publicacoes. Acesso em: 14 ago. 2017.

OLIVEIRA, Dijaci David de. As escolas militares: o controle, a cultura do medo e da violência. In: OLIVEIRA, Ian Caetano de; SILVA, Victor Hugo Viegas de Freitas (Orgs.). Estado de exceção escolar: uma avaliação crítica das escolas militarizadas. Aparecida de Goiânia: Escultura, 2016. p. 41-51.

PONCE, Aníbal. Educação e luta de classes. São Paulo: Cortez, 1985.

RAVITCH, Diane. Vida e morte do grande sistema escolar americano: como os testes padronizados e o modelo de mercado ameaçam a educação. Porto Alegre: Sulina, 2011.

SAVIANI, Dermeval. O trabalho como princípio educativo frente às novas tecnolo- gias. In: FERRETTI, Celso João et al. Novas tecnologias, trabalho e educação: um debate multidisciplinar. Petrópolis: Vozes, 2012.

. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. Campinas: Autores Associados, 2000.

TAVARES, Francisco Mata Machado. Quem quer manter a ordem? A ilegalidade da militarização das escolas em Goiás. In: OLIVEIRA, Ian Caetano de; SILVA, Victor Hugo Viegas de Freitas (Orgs.). Estado de exceção escolar: uma avaliação crítica das escolas militarizadas. Aparecida de Goiânia: Escultura, 2016. p. 53-63.

TEIXEIRA, Rafael Saddi Teixeira. A exclusão dos alunos mais pobres nos Colégios Militares. In: OLIVEIRA, Ian Caetano de; SILVA, Victor Hugo Viegas de Freitas (Orgs.). Estado de exceção escolar: uma avaliação crítica das escolas militarizadas. Apa- recida de Goiânia: Escultura, 2016. p. 67-69.

VELOSO, Ellen Ribeiro; OLIVEIRA, Natália Pereira de. Nós perdemos a consciência? apontamentos sobre a militarização de escolas públicas estaduais de ensino mé- dio no estado de Goiás. In: OLIVEIRA, Ian Caetano de; SILVA, Victor Hugo Viegas de Freitas (Orgs.). Estado de exceção escolar: uma avaliação crítica das escolas militarizadas. Aparecida de Goiânia: Escultura, 2016. p. 71-84.

Downloads

Publicado

2019-01-03