Do “Desenvolvimento sustentável” à economia verde: as falsas propostas do capital em época de crise

Autores

  • Rachel Santos Zacarias Instituto Vianna Júnior

DOI:

https://doi.org/10.22422/2238-1856.2012v12n23p125-151

Resumo

A partir dos referenciais teórico-metodológicos de investigação da teoria social marxiana, esse artigo tem como objetivo apresentar os limites das propostas que vem sendo construídas no âmbito dos órgãos oficiais com relação ao enfrentamento da destruição ambiental produzida pelo modelo de produção capitalista. Procura-se demonstrar que essas propostas utilizadas como referência para se pensar o tipo de desenvolvimento a ser adotado nos países, esconde atrás do chamado “desenvolvimento sustentável”, e da “economia verde” o compromisso com a conservação da ordem econômico-social vigente e não com sua transformação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rachel Santos Zacarias, Instituto Vianna Júnior

Professora colaboradora do Grupo de Educação  de Ambiental da UFJF. Professora do Instituto Vianna Júnior- JF

Referências

ACSERALD, H. Justiça Ambiental: ação coletiva e estratégias argumentativas. In: ACSERALD, H.; HERCULANO S.; PÁDUA, J.A. (Org.). Justiça Ambiental e cidadania. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.
ALMEIDA, F. Experiências empresariais em sustentabilidade: avanços, dificuldades e motivação de gestores e empresas. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.
ANDRIOLI, A.I. A atualidade de Marx para o debate sobre a tecnologia e meio ambiente. Crítica Marxista, N. 27, 2008. p. 11-25.
AVIGNON, A. d’; CARUSO, L.A. C. O caráter necessariamente sistêmico da transição rumo à economia verde. Política Ambiental, Economia verde: desafios e oportunidades. Belo Horizonte: Conservação Internacional. n.8, jun 2011. Disponível em www.conservation.org.br/publicacoes/files/poltica_ambiental_08_portugues.pdf Acesso em: 10 out. 2011.
CMMAD. Comissão de meio ambiente e desenvolvimento. Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Carlos Chagas, 1991.
______. Agenda XXI. Brasília: Senado Federal, 1997.
COGGIOLA, O. Crise ecológica, luta de classes. In: SILVA , M. G. da. (Org). Marxismo e natureza: ecologia, história e política. Pará de Minas: Editora Virtual Books. 2010, p. 120-147.
FASE. Rio+20: resistir ao ambientalismo de mercado e fortalecer os direitos e a justiça ambiental. Rio de Janeiro: Federação de órgãos para assistência social e educacional, 2011. Disponível em: <http:// fase.org.br/v2/pagina.phpWid=3484>. Acesso em: 11 out. 2011
FOLADORI; TOMMASINO, H. A solução técnica para os problemas ambientais. Contra Corrente, ano 3, n. 5, 2011, p.27-28.
FOLADORI, G. Limites do desenvolvimento sustentável. Campinas: Unicamp, 2001a.
______. Metabolismo com a natureza. Crítica Marxista. n. 12, 2001b. Disponível em: <www.unicamp.br/cermarx/criticamarxista/05folad.pdf> Acesso em: 02 jul. 2010.
______. O capitalismo e a crise ambiental. Disponível em: <www.revistaoutubro.com.br/edições/05/out> Acesso em: 25 set. 2009.
FOSTER. A ecologia de Marx. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.
LOUREIRO, C. F. B. O movimento ambientalista e o pensamento crítico: uma abordagem política. 2. Ed. Rio de Janeiro: Quartet, 2006.
LÖWY, M.; BOFF, L. A natureza e o meio ambiente: limites do planeta. In: MENEGAT, M.; BEHRING, E. R.; FONTES, V. (Org.). Dilemas da humanidade. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008. p. 75-126.
LOWY. M. Ecologia e socialismo. São Paulo: Cortez, 2005.
LUKÁCS, G. Prolegômenos para uma ontologia do ser social. São Paulo: Boitempo, 2010.

MALTHUS, T. R. Textos de Malthus. In: SZMRECSÁNYI, T. (Org.); FERNANDES, F. (Coord.). Malthus: economia. São Paulo: Ática, 1982.
MANDEL. E. A crise do capital: os fatos e sua interpretação marxista. Campinas: Editora da Unicamp; São Paulo: Editora Ensaio, 1990.
MARX, K. F. Crítica ao programa de Gotha. In: MARX, K. e ENGELS, F. Obras escolhidas. São Paulo: Alfa-ômega, 1981.

______. O capital: crítica da economia política. Livro Primeiro, o processo de produção do capital v.II., 12.ed. Rio de Janeiro: Bertrand, 1983.

______. O capital: crítica da economia política. Livro Primeiro, o processo de produção do capital v.II., 12.ed. Rio de Janeiro: Bertrand, 1998.
MAY, P.H. Mecanismos de um mercado para uma economia verde. Política Ambiental. Economia verde: desafios e oportunidades. Belo Horizonte: Conservação Internacional. n.8, jun 2011. Disponível: <www.conservation.org.br/publicacoes/files/poltica_ambiental_08_portugues.pdf > Acesso em: 10 out. 2011.
MÉSZÁROS, I. Estrutura social e formas de consciência II: a dialética da estrutura e da história. São Paulo: Boitempo, 2011.

______.. A teoria da alienação em Marx. São Paulo: Boitempo, 2006.

______.I. Para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2002.
NETTO, J. P.; BRAZ, M. Economia política. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2007.
PACKER, L. Pagamentos por serviços ambientais e flexibilização do Código Florestal: para um capitalismo “verde”. Curitiba: Terra de Direitos, 2011. Disponível em: <www.terradedireitos.org.br/wp-content/uploads/2011/08/Analise-PSA-CODIGO-Florestal-eTEEB-_terra-de-direitos.pdf> .Acesso em: 02 set. 2011.
PINTO, V.P. dos S. Ecodesenvolvimento., desenvolvimento sustentável e as diferentes propostas de sustentabilidade para a Amazônia brasileira. In: ZACARIAS, R.; PINTO, V.P.dos S.(Org.). Educação ambiental em perspectiva. Juiz de Fora: FEME, 2002. p.21-38.
PNUMA. Rumo à economia verde: caminhos para o desenvolvimento sustentável e a erradicação da pobreza, síntese para tomadores de decisão, 2011. Disponível em: <www.unep.org/greeneconomy>. Acesso em: 28 set. 2011.
RODRIGUES, F.X.F. População e meio ambiente: uma análise das abordagens malthusiana, marxiana e cornucopiana. Disponível em: www.cidehus.uevora.pt/investigacao/progcien/linv/13/Ics/capitulos/autores/textos/demografia/malthus_marx_boserps_txtfx.htm. Acesso: julho 2011.
SAWYER, D. Economia verde e/ou desenvolvimento sustentável. Política Ambiental. Economia verde: desafios e oportunidades. Belo Horizonte: Conservação Internacional. n.8, jun 2011. Disponível em: <www.conservation.org.br/publicacoes/files/poltica_ambiental_08_portugues.pdf>. Acesso em: 15 out. 2011.
SEIFERT, M.E.B. Gestão ambiental: instrumentos, esferas de ação e educação ambiental. São Paulo, Editora Atlas, 2010.
YOUNG, C.E.F. Potencial da economia verde no Brasil. Política Ambiental. Economia verde: desafios e oportunidades. Belo Horizonte: Conservação Internacional. n.8, jun 2011. Disponível: www.conservation.org.br/publicacoes/files/poltica_ambiental_08_portugues.pdf Acesso em: 15 out. 2011.

Downloads

Publicado

2012-08-27

Edição

Seção

Seção Temática