COMO OS DOMINANTES DOMINAM: O CASO DA BANCADA RURALISTA

Autores

  • Ivete Simionatto Universidade Federal de Santa Catarina
  • Carolina Rodrigues Costa Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.22422/2238-1856.2012v12n24p215-237

Resumo

Uma das questões necessárias para que as correlações de força sejam alteradas e a classe trabalhadora possa ganhar a hegemonia, tornando-se dirigente, é buscar a compreensão de como os dominantes dominam, suas ideologias, formas de ação e criação de consensos, entre outros. O presente artigo, feito através de pesquisa documental, tem por objetivo analisar como os interesses das camadas da classe dominante são organizados e representados no âmbito do Parlamento brasileiro na defesa de seus interesses particulares. Estudar a forma como os grupos hegemônicos estão organizados é, pois, imperioso para explicar as relações sociais entre classes e camadas de classe na disputa pela hegemonia. Para tal, recupera-se o legado gramsciano como perspectiva analítica, evidenciando que a realidade, mais do que nunca, necessita da teoria social crítica para ser desvendada em todas as suas contradições, como é o caso do objeto de estudo deste artigo: a Bancada Ruralista Brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACANDA, J. L. Sociedade civil e hegemonia. Rio de Janeiro: UFRJ, 2006.

CAMPIONE, D. Hegemonia e contra-hegemonia na América Latina. COUTINHO, C. N. e TEIXEIRA, A de P (orgs.).Ler Gramsci, entender a realidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.
COUTINHO, C. N. Intervenções. São Paulo: Cortez, 2006

COUTINHO, C. N. O conceito de política nos Cadernos do cárcere. COUTINHO, C. N, e TEIXEIRA, A. P. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

COUTINHO, C. N. TEIXEIRA, S. F. (org.). Reforma sanitária: em busca de uma teoria. São Paulo:Cortez; Rio de Janeiro: ABRASCO; 1989.

FAVARETO, A. Agricultores, Trabalhadores: os trinta anos do novo sindicalismo rural no Brasil. In: Rev. bras. Ci. Soc. vol.21 no.62 São Paulo Oct. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-69092006000300002&script=sci_arttext&tlng=em. Consulta feita em 02/09/2010.
GRAMSCI, A . Cadernos do cárcere. Tradução de Carlos Nelson Coutinho com a colaboração de Luiz Sergio Henriques e Marco Aurélio Nogueira. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, v. 3, 2000.
GRAMSCI, A . Cadernos do cárcere. Tradução de Carlos Nelson Coutinho com a colaboração de Luiz Sergio Henriques e Marco Aurélio Nogueira. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, v. 4, 2001.
GRAMSCI, A . Cadernos do cárcere. Tradução de Carlos Nelson Coutinho com a colaboração de Luiz Sergio Henriques e Marco Aurélio Nogueira. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, v. 5, 2002 .
LIGUORI, G.Roteiros para Gramsci. Rio De Janeiro: Editora da UFRJ, 2007.

MAGRONE E. Gramsci e a educação: a renovação de uma agenda esquecida. Cadernos Cedes. Campinas: Cortez, vol. 26, n. 70, p. 353-372, set./dez. 2006.

PINHEIRO, M. B. Os dilemas da inclusão de minorias no Parlamento brasileiro: a atuação das frentes parlamentares e bancadas temáticas no Congresso Nacional. 198 p. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Ciência Política, Belo Horizonte, 2010.

PORTELLI, H. Gramsci e o Bloco Histórico. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1977.

SIMIONATTO,I. Classes subalternas, lutas de classe e hegemonia: uma abordagem gramsciana. Revista Katalisys.Florianópolis: Editora da UFSC, 2009.

BARCELOS, E. Á. da S. BERRIEL, M. C. Práticas institucionais e grupos de interesse: a geograficidade da Bancada Ruralista e as estratégias hegemônicas no Parlamento brasileiro.IN: XIX Encontro nacional de geografia agrária, São Paulo, 2009. Anais. Disponível em:
http://www.geografia.fflch.usp.br/inferior/laboratorios/agraria/Anais%20XIXENGA/artigos/Barcelos_EAS.pdf. Acesso em: 02 de fevereiro de 2012.

BITTAR, P. Especial luta pela terra: CPMI da Terra. Disponível em:. http://www.camara.gov.br/internet/radiocamara/default.asp?selecao=MAT&Materia=36730.
Acesso em: 03 de fevereiro de 2012.

CÂMARA DE DEPUTADOS. Disponível em: http://www2.camara.gov.br/. Acesso em: 27 de janeiro de 2012.

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ASSESSORIA PARLAMENTAR (DIAP). Bancada ruralista aumenta com o reforço de novos parlamentares. Disponível em:. http://www.diap.org.br/index.php/eleicoes-2010/bancadas-suprapartidarias/ruralista.
Acesso em: 23 de janeiro de 2012.

FRENTE PARLAMENTAR DA AGROPECUÁRIA. Disponível em: http://www.fpagropecuaria.com.br/. Acesso em: 27 de janeiro de 2012

INSTITUTO DE ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (INESC). Bancada Ruralista: o maior grupo de interesse no Congresso Nacional. Disponível em: http://www.inesc.org.br/biblioteca/publicacoes/artigos/ARTIGO%20BANCADA%20RURALISTA%202007.pdf/view. Acesso em: 01 de fevereiro de 2012.

SENADO FEDERAL. Disponível em: http://www.senado.gov.br/. Acesso em: 27 de janeiro de 2012.

Downloads

Publicado

2012-11-04

Edição

Seção

Seção Temática