DIVISÃO SÓCIO SEXUAL DO TRABALHO: NATURALIZAÇÕES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA DE MINIMIZAÇÃO DO ESTADO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22422/temporalis.2020v20n40p215-232

Resumo

As mudanças no mundo do trabalho impactam na inserção de homens e mulheres no universo produtivo e reprodutivo o que faz perceber que há uma nítida e tradicional segregação quanto aos postos e condições de trabalho, mostrando, assim, uma desigualdade quanto às relações de gênero no que tange à ocupação dentro do universo do trabalho. Todavia, essa desigualdade não surge com o capitalismo, mas é nele que se intensifica, uma vez que é evidente como o trabalho feminino é satisfatório ao sistema produtivo, principalmente quando visto a naturalização da (in) visibilidade do trabalho reprodutivo, uma vez que não há por parte do Estado a proposição/elaboração de políticas sociais que garantam às mulheres a emancipação do seu lugar como normatizador junto à realização das atividades domésticas. É a partir desse anseio que o presente artigo se propõe a contribuir com o aprofundamento do debate acerca da divisão sócio sexual (e desigual) do trabalho em tempos de contrarreforma do Estado e, ainda, pensando em somar com a categoria dos/as assistentes sociais que é, majoritariamente, composta por mulheres. Como caminho metodológico, se caracteriza como uma pesquisa qualitativa e de cunho bibliográfica, a qual buscou aprofundar-se para que a essência do fenômeno estudado fosse revelada, sendo assim guiada pelo método crítico dialético. Portanto, é perceptível o quanto ainda é necessário o aprofundamento desse debate entre as categorias de gênero e classe (evidenciando a importância das questões de raça/etnia e orientação sexual), uma vez que a classe trabalhadora não é homogênea.

 

Palavras chave: Divisão Sócio Sexual do Trabalho; Relações de Gênero; Capitalismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Priscilla Brandão Medeiros, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Bacharela em Serviço Social pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN (2008.2); Especialista em Docência no Ensino Superior pela Universidade Potiguar - UNP (Natal/RN - 2011) e em Gestão Pública da Organização em Saúde pela Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF (2020); Mestra em Serviço Social e Direitos Sociais pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Doutoranda pelo PPGSS/UFRN. Possui experiência docente e em coordenação de estágio em Serviço Social pela Faculdade Católica Santa Teresinha - FCST e coordenação em pós graduação na área do Serviço social e políticas públicas; experiência profissional na política de assistência social (de 2009 a julho de 2019, atuando em CRAS e Vigilância Socioassistencial - coordenação e técnica de referência); principais categorias de estudo e pesquisa: assistência social, formação profissional, ética, Direitos Humanos Gênero, Diversidade Sexual e Trabalho. Participou como membro da Diretoria do Conselho Regional de Serviço Social - CRESS 14ª Região (Gestão 2015-2017). Experiência como conselheira do Conselho Municipal de Assistência Social de Caicó/RN (CMAS) e Professora Temporária na Escola Multicampi de Ciências Médicas - EMCM/UFRN (2014/2017). Foi Coordenadora da Vigilância Socioassistencial em Caicó/RN de Janeiro de 2016 a Junho de 2018, na oportunidade ganhou o prêmio na I Amostra de Experiência em Vigilância Socioassistencial em Brasília/DF. Atualmente é: Técnica/Assistente Social no Departamento de Habitação Social e Regularização Fundiária de Caicó/RN (afastada).

Downloads

Publicado

2021-01-11