RELAÇÕES DE GÊNERO E PROCESSOS DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL

Autores

  • Lidiane Cavalcante Tiburtino Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

DOI:

https://doi.org/10.22422/2238-1856.2015v15n29p247-264

Resumo

O artigo se configura como um recorte da pesquisa “Relações Sociais de Gênero e Precarização do Trabalho: um estudo sobre as contradições de gênero no processo de expansão dos espaços sócio-ocupacionais das/os Assistentes Sociais na politica de Assistência Social”, realizada no município de João Pessoa (PB), vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), tem como central a discussão das relações de gênero no Serviço Social, na perspectiva de apreender como a perenidade da presença majoritária feminina na profissão se expressa nos processos de trabalho. Um dos elementos conclusivos aponta para a necessidade de aprofundar às análises que relacionam as construções sociais das relações de gênero ao processo que confere ao Serviço Social uma posição de subalternidade nos processos de trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lidiane Cavalcante Tiburtino, Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Mestre em Serviço Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) com ênfase na linha de pesquisa: Trabalho, Gênero e Seguridade Social. Docente de graduação na a área de Fundamentos em Serviço Social, nas Faculdades Integradas de Patos – FIP. Graduada em Serviço Social pela Universidade Estadual da Paraíba – UEPB.

Referências

CISNE, Mirla. Gênero, divisão sexual do trabalho e serviço social. São Paulo: Expressão Popular, 2012.

________. Serviço social: uma profissão de mulheres e para mulheres? uma análise crítica da categoria gênero na histórica “feminização” da profissão. 2004. 205 f. Dissertação (Mestrado em Serviço Social)- Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2004.

HIRATA, Helena. Nova divisão sexual do trabalho?: um olhar voltado para a empresa e a sociedade. São Paulo: Boitempo, 2002.

________. Relações sociais de sexo e do trabalho: contribuição à discussão sobre o conceito de trabalho. Em Aberto, Brasília-DF, v. 15, n.65, jan./mar. 1995. Disponível em: <http://emaberto.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/viewFile/979/883.>Acesso em: 1 mar. 2014.

______; KERGOAT. Danièle. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 132, p. 595-609, set./dez. 2007.

IAMAMOTO, Marilda; CARVALHO, Raul. Relações sociais e serviço social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. São Paulo: Cortez, 2008.

LISBOA, Tereza Kleba. Gênero, feminismo e serviço social – encontros e desencontros ao longo da história da profissão. Revista Katálysis, Florianópolis, v. 13 n. 1. p. 66-75, jan./jun. 2010.

LOBO, Elisabeth Souza. A classe trabalhadora tem dois sexos: trabalho, dominação e resistência. São Paulo: Secretaria Municipal de Cultura e Brasiliense, 1991.

MÉSZÁROS, István. A teoria da alienação em Marx. São Paulo: Boitempo, 2006.

MOREIRA, Maria Regina de Ávila. A constituição de gênero no serviço social: um estudo a partir das manifestações de empregadores e assistentes sociais. 2003. 259 f. Tese. (Doutorado em Serviço Social)- Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2003.

SAFFIOTI, Heleieth. Violência de gênero: o lugar da práxis na construção da subjetividade. Lutas Sociais, São Paulo, n. 2, p. 59-79, 1997.

SCOTT, Joan Wallach. Gênero: uma categoria útil para a análise histórica. Recife: SOS Corpo – Instituto Feminista para a Democracia, 1990.

SILVA, Carmen; ÁVILA, Maria Betânia; FERREIRA, Verônica. (Orgs.) Mulher e trabalho. Recife: SOS Corpo – Instituto Feminista para a Democracia, 2005.

VELOSO, Renato. No caminho de uma reflexão sobre serviço social e gênero. Praia Vermelha, Rio de Janeiro, v. 2, n. 4, p. 70-93, 2001.

VERDÈS-LEROUX, Jeannine. Trabalhador social: prática, hábitos, ethos, formas de intervenção. São Paulo: Cortez, 1986.

Downloads

Publicado

2015-07-31