Mulheres rurais e as lutas pela água na América Latina

Autores

  • Rosineide de Lourdes Meira Cordeiro Universidade Federal de Pernambuco
  • Paola Alejandra Morales
  • Sandra Maria Batista Silveira Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
  • Flávia da Silva Clemente Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.22422/2238-1856.2015v15n30p495-514

Resumo

Este artigo trata das lutas das mulheres rurais na América Latina por água e tem como objetivo analisar os lugares das mulheres quanto ao acesso, gestão e participação nos espaços decisórios das políticas hídricas dos seus países. Foi analisada a Campanha Latino-americana “Água é Vida e Direito”, realizada pela Rede Latino-americana e Caribenha das Mulheres Rurais. O pressuposto do artigo é que a desigual distribuição dos recursos naturais no campo está relacionada com os sistemas de exploração – dominação de classe, gênero, raça e etnia entre outros. Os resultados apontam que as mulheres cuidam do abastecimento, porém não participam dos espaços decisórios. A apropriação privada das águas e a acentuada destruição dos mananciais hídricos são os principais responsáveis pelo cenário de indisponibilidade hídrica nos contextos rurais. As principais lutas são contra a privatização das águas, falta de políticas hídricas que atendam as reivindicações das populações rurais, especialmente, das mulheres camponesas, negras e indígenas.    

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosineide de Lourdes Meira Cordeiro, Universidade Federal de Pernambuco

Doutorado em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Docente do Departamento de Serviço Social e do Programa de Pós-graduação pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Paola Alejandra Morales

Especialista em Estudos de Género (UNComa). Mestre em Serviço Social pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e Docente da Universidade Nacional do Comahue (Argentina).

 

Sandra Maria Batista Silveira, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Serviço Social da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Docente do Departamento de Serviço Social (UFPE).

 

 

Flávia da Silva Clemente, Universidade Federal de Pernambuco

Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Serviço Social da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Docente do Departamento de Serviço Social (UFPE).

Referências

ALMEIDA, V., PRIETO, I. L. Uma história muito linda: perpetuando a Rede Lac. Rede de Mulheres Rurais da América Latina e Caribe. Recife Rede Lac, 2007.

ÁVILA, M. B. Mulher e natureza: os sentidos da dominação no capitalismo e no sistema patriarcal. Cadernos de Crítica Feminista, Recife, Ano VI, n.5, p. 32-43, 2012.

BRAH, A. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu, Campinas, n. 26, p. 329-376, 2006.

CARNEIRO, S. Mulheres em movimento. Estudos Avançados, São Paulo, v. 17, n. 49, p. 117-133, 2003.

CORDEIRO, R.L.M; SILVEIRA, S.M.B, MORALES, P., ALMEIDA, V. Mulheres e água: a experiência da rede de mulheres rurais da América Latina e do Caribe. Recife: Revista Anthropológicas. Ano 16, Vol. 23 (1), p. 160-178, 2012.

CORDEIRO, R. L. M.; SILVEIRA, S. M. B., MORALES, P. Síntese da campanha água é vida e direito. (22 de março de 2007 a 20 de dezembro de 2008). Recife, 2009. Mimeo.

DEERE, C.; LEÓN, M. O empoderamento da mulher: direito à terra e direitos de propriedade na América Latina. Porto Alegre: Editora da UFRG, 2002.

EQUIPO Interdiciplinar e Intercultural del Proyecto. Propuesta para un KVME Felen Mapuce. Confederación Mapuce de Neuquen. Neuquen: Argentina, 2010. Disponível em: <http://odhpi.org/wp-content/uploads/2011/09/kvme-felen-Plan-de-vida.pdf> Acesso em: 5 out. 2014.

FOLADORI, G. O capitalismo e a crise ambiental. Tradução de Paulo Roberto Delgado. Revista Outubro, Rio de Janeiro, n. 5, p. 117-148, 2001.

GONZALES, L. A mulher negra na sociedade brasileira. In: LUZ, Madel, T. (Org.). O lugar da mulher: estudos sobre a condição feminina na sociedade atual. Rio de Janeiro, Graal, 1982.

HERNÁNDEZ CASTILLO, A. Entre el etnocentrismo feminista y el esencialismo étnico. Las mujeres indígenas y sus demandas de género. Debate Feminista, México, Año 12, v. 24, p. 206-229, 2001.

LEFF, E. Epistemologia ambiental. 5. ed. São Paulo, Cortez, 2010.

MELO, L.A. Relações de gênero na convivência com o semiárido brasileiro: água para o consumo doméstico. In: SCOTT, P.; CORDEIRO, R. L. M. (Orgs.). Agricultura familiar e gênero: práticas, movimentos e políticas públicas. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2006.

PEREDO BELTRAN, E. Una aproximación a la problemática de género y etnicidad en América Latina. Serie Mujer y desarrollo, Santiago de Chile, n. 53, 2004. Disponível em: <http://www.cepal.org/publicaciones/xml/7/14797/lcl2066e.pdf> Acesso em: 6 out. 2014.

PISCITELLI, A. Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Sociedade e Cultura, Goiânia, v.11, n.2, p. 263-274, jul./dez. 2008.

SAFFIOTI, H. O poder do macho. São Paulo, Moderna, 1987.

______. Não há revolução sem teoria. In: ______. Gênero, patriarcado e violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

Downloads

Publicado

2016-01-08