Determinação da legitimidade burocrática: uma alternativa a Max Weber

Autores

  • Ludson Rocha Martins Universidade Federal de Juiz de Fora

DOI:

https://doi.org/10.22422/2238-1856.2015v15n30p383-403

Resumo

O artigo trata da contribuição de Max Weber para o estudo da legitimidade burocrática, recupera os lineamentos principais do sociólogo sobre o tema, indicando também as ponderações críticas de Habermas em relação as suas assertivas. Em seguida desenvolve, por um ângulo materialista, o tema do legítimo (tomado como uma questão congenial as sociedades de classe) e da burocracia, remetendo-os as problemáticas do Estado, da ideologia e da reprodução social. Ao final descreve a legitimidade burocrática como fenômeno ideológico de tom contraditório, uma resultante da atuação dos agentes que fornecem suporte a atuação do Estado, contribuindo para generalizar, a partir de uma posição oficial, os valores, ideias e interesses dos grupos e classes dominantes. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ludson Rocha Martins, Universidade Federal de Juiz de Fora

Assistente social pelas Prefeituras Municipais de Nova Lima-MG e de Pedro Leopoldo-MG. Mestre em Serviço Social pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

Referências

ABREU, H. Para Além dos Direitos. Cidadania e Hegemonia no Mundo Moderno. Rio de Janeiro. Editora URRJ, 2008.

BEHRING,E.R.. Acumulação capitalista, fundo público e Política social. ____ in: BOSCHETTI (org). Política Social no Capitalismo: tendências contemporâneas. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2009.

BRAVERMAN, H. Trabalho e Capital Monopolista. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1987.

CARVALHO, M.C.B. ; NETTO, J.P. Cotidiano: Conhecimento e Crítica. 9 ed. São Paulo: Cortez, 2001.

DIETERICH, HEINZ. Novo Guia Para Pesquisa Científica. Blumenau: Ed. FURB, 1999.

FERNANDES, F. “A Revolução Burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica.” 5ªed. São Paulo: Ed Globo, 2005.

HELLER, A. O Cotidiano e a História. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

IASI, M.L. Processo de Consciência. São Paulo: CPV, 1999.

IASI, M.L. Ensaios sobre Consciência e Emancipação. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

LÊNIN, V. I. O Estado e a Revolução. Disponível em http://eventohistedbr.com.br/editora/. Acesso em 15 de ago. 2012.

LUKÁCS, G. Introdução a uma Estética Marxista: sobre a Categoria da Particularidade. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 1978.

LUKÁCS, G. Ontologia do Ser Social: os princípios ontológicos fundamentais de Marx. São Paulo: Ciências Humanas,1979.

LUKÁCS, G. Ontologia do Ser Social: O Trabalho. (mimeo, s.d.) (Tradução de Ivo Tonet).

MARX, k. Manuscritos Econômico-filosóficos. São Paulo: Ed. Martin Claret, 2004.

MÉSZÁROS, I. Estrutura Social e Formas de Consciência. São Paulo, Boitempo. 2009.

MÉSZÁROS, I. Para Além do Capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo, Boitempo. 2011.

MIOTO, R.C.T. Família e políticas sociais. ____ in: BOSCHETTI (org). Política Social no Capitalismo: tendências contemporâneas. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2009.

NETTO, J.P. Capitalismo Monopolista e Serviço Social. São Paulo, Cortez, 2007.

VALÊNCIA, A. S. A Reestruturação do Mundo do Trabalho: Superexploração e Novos Paradigmas da Organização do Trabalho. Uberlândia, Edufo, 2009.

Downloads

Publicado

2016-01-08